Este artigo também está disponível como slides.

Com cerca de 360 propriedades, não faltam muitas coisas para você conseguir estilizar basicamente qualquer coisa usando a versão atual do CSS. O maior problema na verdade está como solucionar problemas de estilização de uma forma escalável. Escalável para que seu código seja flexível o suficiente para não ter que ser completamente reescrito no próximo redesign que com certeza vai acontecer, e também escalável para que seu time possa continuar mantendo o código por muitos anos.

Em meio a tantos frameworks diferentes e técnicas como Flexbox, Grid CSS, floats, e até CSS-in-JS, é difícil olhar através do superficial e achar as boas práticas e hábitos essenciais para escrever CSS que dura.

Após muitos anos como desenvolvedor front-end acabei desvendando alguns hábitos que me levam a escrever CSS mais escalável. Agora, quase sempre que encontro estilos difíceis de lidar ou que dão bastante trabalho para refatorar, percebo que eles não seguem um dos três princípios básicos que vou te ensinar.

Aprender a escrever CSS escalável é essencial, já que independente da sua abordagem para criar interfaces de usuário na web, você vai precisar estilizá-la. E, por mais bonita e bem planejada que seja, esta mesma interface de usuário vai passar por muitas mudanças conforme o produto é alterado. Novas funcionalidades precisam de espaço. O posicionamento de alguns elementos são trocados para melhorar a experiência do usuário. Novas páginas são criadas. Estilos mais “modernos” são propostos. Três hábitos podem nos ajudar a passar por tudo isso com menos dor de cabeça.

Abrir mão do posicionamento

Com CSS nós podemos posicionar qualquer elemento em qualquer lugar. Apesar disso, não é sempre que devemos usar position: fixed ou position: absolute para controlar exatamente em qual pixel na tela um elemento estará. Abrir mão do posicionamento de um elemento vai ainda mais longe do que isso.

Cada vez que tentamos controlar o posicionamento de um elemento, este elemento se torna menos reutilizável em diferentes contextos e talvez precise ser refatorado quando o layout das páginas em que são utilizados forem alterados.

Vamos imaginar que temos um componente Botao. Por componente, eu quero dizer um conjunto de HTML, CSS e JS que trabalham juntos – usando ou não um framework. Este componente geralmente é utilizado em conjunto com outros botões na nossa interface de usuário. Para posicionar estes componentes poderíamos recorrer a seletores CSS como .botao + .botao, adicionando um pouco de margin entre cada botão. Dessa forma, qualquer lugar que usasse Botao teria o espaçamento entre eles padronizado.

O problema dessa solução é que ela não é escalável. No momento que quisermos trocar um Botao por um Link, este espaçamento não seria mais aplicado. Conforme estas excessões se tornam a regra, poderíamos acabar com diversos seletores muito específicos: .botao + .link, .link + .botao e .link + .link. É inviável tentar lidar com espaçamento automático entre componentes porque não temos certeza de como eles serão utilizados em conjunto no futuro.

imagem com um botão e um link sem espaçamento entre eles

Uma forma melhor de espaçar componentes e evitar este problema com seletores específicos é dar ao componente que os engloba a responsabilidade de espaçá-los. Um componente de Fomulario, por exemplo, poderia ditar os estilos de espaçamento entre cada Botao, Link e Input. Controlando o espaçamento de cima pra baixo na hierarquia dos componentes torna o CSS muito mais escalável por permitir que componentes de baixo nível possam ser utilizado em contextos completamente diferentes ao mesmo tempo sem que eles tenham que ter estilos específicos para cada um desses contextos.

Abrir mão do tamanho

Assim como abrir mão do posicionamento, abrir mão do tamanho também é um ótimo hábito para escrever CSS escalável. Em uma página de galeria, por exemplo, nós poderíamos estilizar o componente Figura de tal forma que seu width estaria fixo em 300px, já que este é o tamanho exato deste elemento no design. Porém, se decidirmos utilizar Figura dentro de um elemento maior ou menor, nós teríamos problemas.

Ao abrir mão do espaçamento, delegamos ao máximo a definição real do tamanho de um elemento na tela. Isso significa que quase todos os seus componentes seriam estilizados com width: 100%, de modo que quem os engloba pode decidir seu tamanho real final.

images de uma galeria de imagens com Figura em diversos
tamanhos

Existem alguns casos em que não é possível abrir mão do tamanho dos nossos componentes. É, por exemplo, muito difícil estilizar um componente complexo para comportar tamanhos muito grandes e muito pequenos sem o uso de media queries. Não existe hoje uma forma de estilizar um componente baseado em seu tamanho na tela, já que ainda não temos algo como Container Queries no CSS.

Mantenha sempre em mente que nenhuma solução técnica vem sem desvantagens. Para componentes assim, talvez o ideal seja ter diferentes versões dos seus estilos que podem ser utilizadas usando uma classe no elemento principal para definir uma versão “enxuta” ou “completa”.

Deixar o conteúdo fluir

Conteúdo é quase sempre o centro de um design. E em muitas interfaces de usuário dinâmicas, é muito difícil saber ao certo o tamanho de um texto, imagem ou vídeo. Botões podem ter mais texto do que cabe em apenas uma linha. Imagens talvez sejam estreitas e não quadradas. Títulos podem ter palavras que não cabem inteiras na largura de um dispositivo móvel. Conteúdo é dinâmico, e seus componentes devem deixá-lo fluir.

Existem basicamente duas maneiras de lidar com a diversidade de conteúdo: forçar o conteúdo para se adaptar ao seu componente (abordagem controlada) e adaptar o componente ao conteúdo (abordagem fluída).

Abordagem controlada

Para forçar o conteúdo a se adaptar a um componente, podemos usar overflow: hidden, width e height fixos, text-overflow: ellipsis e muitas outras regras. Esta abordagem normalmente é necessária quando temos que manter um balanço e prevenir que um conteúdo gerado pelos usuários quebre a interface.

imagem de uma figura com sua descrição incompleta

O problema de tentar controlar o conteúdo é que uma mudança nos requerimentos deste conteúdo pode nos forçar a refatorar todos os componentes que não se adaptam ao conteúdo.

Abordagem fluída

Uma outra forma de lidar com conteúdo é com uma abordagem fluída. Se quase todos os nossos componentes seguirem essa abordagem, teremos uma interface de usuário flexível que se adapta tanto ao conteúdo quanto ao dispositivo. O CSS tende a nos levar por este caminho, já que a maioria dos valores padrão foram definidos com o intuito de deixar o conteúdo fluir. Novas técnicas de layout como Flexbox e Grid CSS também têm valores padrão onde o conteúdo é uma parte bastante importante nas definições de posicionamento e espaçamento.

Pode ser um pouco assustador não ter o controle total de como um componente ou toda a sua interface de usuário aparecerá para o usuário final. Ao usar algumas regras como overflow-wrap: break-word e min-width: 200px definimos limites de como o conteúdo vai fluir dentro dos nossos componentes, tendo um pouco mais de controle, mas não o suficiente para limitar demais o conteúdo.

imagem de uma figura com sua descrição completa

É claro que você pode misturar a abordagem fluída com a controlada. Esta é normalmente a forma que eu implemento componentes que recebem conteúdo bastante diverso. Você pode precisar controlar o tamanho do título e a quantidade máxima de palavras na descrição de uma imagem, guiando quem escreve o conteúdo a se encaixar em um meio-termo entre liberdade e controle.

Desenvolva os seus hábitos

Não é fácil desenvolver interfaces para a web, principalmente para produtos que evoluem em um ritmo constante. Escrever sobre estes três hábitos é o resultado de muitos anos trabalhando em diversos projetos dos mais variados tamanhos. Com certeza existem muitos outros hábitos que podemos seguir para escrever CSS escalável, talvez alguns que eu até siga sem mesmo perceber ou formalizar.

Documentar problemas e soluções encontradas pode ser um ótimo caminho para você começar a descobrir os seus próprios hábitos. Lembre de utilizar cada uma das 360 propriedades do CSS com uma coisa em mente: nunca faltarão tarefas para alterar interfaces de usuário. Abrir mão do posicionamento, abrir mão do tamanho e deixar o conteúdo fluir são só algumas boas práticas que podemos seguir para manter nossos projetos em ordem mesmo após anos de trabalho.